Nem sempre é bom saber os segredos que o RH não te conta

Semana passada vi aqui no Linkedin um texto sobre um livro publicado por uma consultora americana, Cynthia Shapiro. Quem é colega de RH sabe a luta de fazer um trabalho de formiguinha, um pouquinho por dia, para tentar humanizar as empresas. Então, aparece este livro, com todas essas dicas querendo doutrinar os funcionários, porque é assim que funciona o mundo corporativo. É assim mesmo que funciona.

Não é por isso que devemos ensinar as pessoas a se podar, e sim mostrar às empresas que não vai dar mais pra ser assim. Gostei de muitos pontos. Mas outros vão entrar em conflito com as novas gerações e com as mudanças velozes de acesso à informação. Não se “fará” mais funcionários como antigamente…

Uma reportagem que resume o livro “Corporate Confidential – 50 Secrets Your Company Doesn’t Want You To Know andWhat To Do About Them” da consultora Cynthia Shapiro. 

Seguem abaixo pra você refletir sobre como você age no seu emprego.

1 – Competência não é o mais importante
Não é só talento e trabalho duro que garantem seu emprego, mas a percepção que a companhia tem sobre você. Para descobrir isso, tente se olhar como se fosse o dono da empresa. Será que você é alguém que está alinhado com os interesses e políticas da companhia? Você trabalha com entusiasmo e senso de propriedade, ou está pensando apenas em pegar seu salário no fim do mês?

Numa era de gerações, X, Y, Z, é um conselho interessante, pois o comprometimento é muito diferente dos baby boomers, por exemplo. Torna-se um diferencial preocupar-se com algo além do salário. Mas para profissionais um pouco mais experientes, essa reflexão é, no geral, desnecessária e injusta.

2 – Os otimistas se saem melhor
Você tem todo o direito de ser do tipo que sempre enxerga o copo meio vazio. Acontece que as empresas costumam valorizar mais os otimistas, que, geralmente, passam a ideia de ser mais bem-sucedidos.

Essa é bacana! Pessimismo contagia e destrói o ambiente.

3 – O RH não é seu amigo
Não use o RH como confessionário, achando que ele é algo à parte. É claro que o que você disser não vai ser espalhado aos quatro ventos, mas, em determinadas circunstâncias, pode ter de ser revelado para quem toma as decisões na companhia, ou seja, seu chefe, outros executivos, o CEO. Sendo assim, suas ‘confidências’ podem tirá-lo do páreo na hora de decidir, por exemplo, as promoções de sua área.

O RH não é seu inimigo. A obrigação do RH é tentar exaustivamente adequar um talento a uma vaga. Se o funcionário me deu uma informação que pode tirá-lo do páreo, isso é provavelmente melhor para ele e para a empresa. Se o perfil não bate, em algum momento os problemas graves surgem. Nada pior para uma empresa do que promover alguém errado para um cargo e acabar perdendo um ótimo funcionário do cargo antigo.

4 – Pare de provar e comece a providenciar
Se você acabou de ser promovido e ganhou uma equipe, não caia na armadilha de ficar provando que aquele cargo lhe pertence. Esse é um erro que a maioria das pessoas comete. Além de ser ruim para seu futuro na nova posição, agindo assim você vai afastar quem realmente o ajudará a se consolidar como gestor: sua equipe. Por isso, coloque-se a serviço do time e trabalhe para que todos consigam finalizar, e bem, o que têm para fazer. Esse é seu trabalho agora.

Ótima! Sem ficar fazendo “armadilhas” e observando reações. Ganhou o cargo, abrace-o junto com a equipe.

5 – Não revele a sua idade
O problema não é os outros saberem quantos anos você tem, mas agir de maneira a reforçar o medo que a empresa associa a profissionais desatualizados. Portanto, mantenha-se bem informado e risque do seu discurso frases como: No meu tempo era assim? ou Não sou bom com essas modernidades tecnológicas? .

Viver no passado e não gostar de tecnologia aplicada ao trabalho são realmente grandes problemas. Mas não dizer isso e nem sua idade não vai disfarçar em nada para seu chefe se ele perceber que você não se atualiza.

6 – Não é inteligente ser inteligente
Geralmente, os recém-chegados são os mais ansiosos para mostrar o que sabem. E acabam se tornando muito inconvenientes, porque querem corrigir tudo – inclusive o chefe. Então, antes de falar, veja se suas idéias são bem-vindas.

Tenha noção de integração na equipe nova. Isso é um talento, saber inserir-se e entender o funcionamento da equipe. Mas se você não mostrar que pode fazer algo um pouco diferente, aí você não justifica a própria contratação, né?

7 – Para progredir na carreira, os outros têm de achar que você faz seu trabalho com o ‘pé nas costas’?
Mesmo que esteja atolado, não demonstre. Se você parece sempre atarefado e ansioso, dificilmente vai ser cotado para receber uma promoção, que, no final das contas, significa mais trabalho pela frente.

Sim, e a promoção acompanha um infarto. Existe uma faixa de tolerância para tudo nessa vida, inclusive para diferenciar corpo mole de extremamente atarefado. Se estiver atarefado, atolado, seu chefe precisa saber. Seguir este conselho inclusive pode desmerecer a você e à equipe, que realizam um volume grande e complexo de tarefas sem demonstrar ao chefe.

8 – Pegue trabalho extra
Melhor ainda se for alguma coisa que seu chefe não gosta de fazer ou algum trabalho de uma área estratégica. Ao agir assim, você mostra para todos que dá conta do recado – não só do seu, mas do trabalho dos outros também.

Essa é a nova maneira de dizer “puxe o saco”. Não comento, para quem gosta, muitas vezes dá certo. Dependendo do chefe, é um tiro no pé.

9 – Ter amigos na empresa pode ser perigoso
Certa vez, conheci uma moça que era ótima profissional, do tipo entusiasmada com o trabalho e feliz com a empresa. Acontece que ela tinha uma amiga que era o oposto. Em um processo de demissão, essa moça foi para a rua junto com a outra. Ficou surpresa, claro! O problema é que a empresa achava que ela tinha sido ‘contaminada’? pela outra e que iria se tornar uma profissional tão negativa quanto a amiga. Por isso, tome cuidado com suas amizades, ou seja discreto para não ser prejudicado.

A missão do RH é tornar o ambiente de trabalho mais agradável e acolhedor, e te mandam esconder as amizades? Quem mostra profissionalismo pode cultivar qualquer amizade no trabalho.

10 – Falar sobre a vida pessoal no escritório pode prejudicar sua carreira
Você falou sobre seu divórcio para quem quisesse ouvir, inclusive para o chefe. Pouco tempo depois, ele tem que decidir quem vai tocar o novo projeto da área. Aí, ele pode pensar assim:

– ‘Não vou passar para o fulano que acabou de se divorciar para não estressá-lo ainda mais’?.

Entendeu agora por que você deve evitar comentar sobre sua vida pessoal no escritório?

Falar muito sobre sua vida pessoal para quem quiser ouvir é ruim até nas redes sociais. Não se expor em nada é antipático. Tem que haver um meio termo, e sem a preocupação em ganhar ou perder vantagens corporativas com isso.

11 – Quem merece não consegue aumento
Pedir aumento usando um ‘eu mereço’ como argumento é a melhor maneira de conseguir um ‘não’ como resposta. A empresa não quer saber se você merece ou não, mas se você agrega valor para os negócios. Então, esse deve ser sempre o pano de fundo do seu pedido.

Certíssimo. Já cansei de atender funcionários que pedem aumento me contando como está difícil pagar as próprias contas. “Eu mereço”, ou “eu preciso” não levam aumento mesmo.

12 – Nem pense em tirar um mês de férias
Hoje, com a velocidade com que as coisas acontecem, esse é o caminho certo para se tornar dispensável. As companhias são como organismos que se adaptam rapidamente a uma condição adversa, no caso, sua ausência. Melhor tirar uma semana de cada vez. Sete dias são a medida certa para fazer as pessoas sentirem falta de você e de seu trabalho.

Isso, e assim criamos funcionários paranoicos, inimigos entre si, acabamos com a colaboração, e nem o serviço para o colega fazer durante suas férias você vai querer passar. Ah, fique ligando também, para irritar bastante o colega. Mais fácil do que ser demitido por não fazer falta durante as férias, é ser demitido por não ter bom relacionamento com a equipe. Não irrite seus colegas com este ou qualquer outro comportamento.

13 – Para perder a batalha, comece a se defender
Em algum momento da carreira, você vai se confrontar com alguém. Isso é certo. Assim como também é certo que a empresa (e o chefe) não quer saber quem tem ou não razão. O que está sendo observado é como você lida com a situação. Por isso, na hora da discussão, resista à tentação de se defender. Simplesmente ouça. Pode apostar que você vai ser visto com outros olhos se começar a se comportar dessa maneira.

Concordo! Pouco importa o que é justo, se você não tiver postura para lidar com uma adversidade, mesmo que esteja certo, ficará “queimado”.

14 – A avaliação de desempenho não é sobre o seu desempenho
Nessas avaliações, o que está em jogo não é sua opinião sobre seu trabalho, mas como o chefe percebe sua performance. Para não ter surpresas ruins da próxima vez, é bom marcar reuniões periódicas para ver o que ele espera de você. E, na hora H, não se desculpe, não acuse ninguém nem diga que você já fez o que ele pediu.

Encher o saco do chefe periodicamente para saber se está fazendo tudo direitinho, nem pensar. Você pode pedir um feedback em momentos específicos, principalmente quando envolver uma tarefa nova.

15 – Não use a avaliação de desempenho como a única ocasião para dar feedback
Não espere uma ocasião formal para posicionar sua equipe sobre sua percepção das coisas. Assim, você prepara o espírito das pessoas para a avaliação de desempenho. E ganha a confiança delas, porque vai soar mais coerente.

Concordo!

16 – Se está tentando fazer sua equipe gostar de você, provavelmente já perdeu o respeito dela
A necessidade de ser querido pela equipe pode ser mortal para um gerente novo no cargo. Se você está preocupado com isso, é muito provável que não esteja agindo como gestor. Melhor não misturar as coisas. Afinal, você está lá para ajudar o time a se desenvolver, e não para ser amigo das pessoas.

É normal querer ser querido pela equipe. Não precisa exagerar, essa necessidade de ser aceito pode ser uma questão sua. Seja legal, aberto para conversas, mas mantenha uma distância saudável. Você até pode ser amigo das pessoas, só cuidado com o favoritismo.

17 – O problema não é errar, mas a maneira como você lida com isso
Todos cometem erros, do contínuo ao presidente. Na verdade, erros são um bom sinal porque mostram que as pessoas estão tentando novas soluções. Então, sua preocupação não deve ser com o erro em si, mas com a maneira como você age nessa situação: se assume a responsabilidade, mostra que aprendeu e que o fato não irá se repetir.

Concordo!

18 – Só porque você é o chefe não tem que saber todas as respostas
Você não é guru para ficar dando conselhos e resolvendo problemas para seus subordinados. Agindo assim, você está criando um bando de dependentes. Como gestor, seu trabalho é ajudar o time a descobrir a solução.

Gostei!

19 – Sua mesa diz quem você é
O visual de seu espaço de trabalho deve refletir seu profissionalismo, não seu estilo pessoal. O dono de uma mesa bagunçada corre o risco de ser visto como um profissional caótico. Por outro lado, uma mesa vazia pode passar a mensagem de que a pessoa está só de passagem ou, pior, que não trabalha ali.

Até pode ter sentido, mas para quem trabalha de verdade, manipular o estado em que a mesa fica é muito difícil. Eu não me preocuparia com isso.

20 – Proteja seu ‘novo eu’
Você decidiu mudar de postura para melhorar sua situação no trabalho? Perfeito! Mas não entre em detalhes quando vierem perguntar por que você parece tão diferente. Diga apenas que percebeu como gosta do que faz. É o que eu chamo de proteger seu ‘novo eu’. Isso é importante até que a mudança se torne consistente e a empresa perceba que você realmente amadureceu.

Não sei opinar, nunca vi uma pessoa que tivesse mudado para melhor ser questionada por isso. Quem gostou elogia, quem invejou, se morde. Só…

21 – A lei não pode proteger seu emprego
Muita gente acredita que a lei vai favorecê-los no caso de uma demissão infundada. Não confie nisso, porque muitas empresas conseguem encontrar meios de demitir um profissional sem que ele sequer imagine por que isso aconteceu.

Acho que isso de lei não se aplica ao Brasil. A área trabalhista é muito forte e muito ativa. Nos processos, as chances sempre pendem mais para o lado do funcionário, na dúvida.

22 – Há mais coisas por trás de uma demissão do que você imagina
Toda empresa tem uma lista de funcionários ‘demitiveis’. É bem provável que você esteja na linha de tiro se: seu salário for maior do que o dos outros; você não tem um bom relacionamento com o chefe; você tem opiniões negativas? e as declara em alto e bom som?sobre a companhia; o projeto que você tocava foi cancelado; você teve um problema de saúde no último ano.

Uma demissão é um conjunto de coisas. Às vezes elas vão se empilhando e culminam no fim do contrato. Outras vezes elas vão sendo empilhadas por alguém. Qualquer dos motivos acima, isolados, não significam nada.

23 – Ninguém vai lhe dizer que sua cabeça está a prêmio
Vejo muita gente cometer erros — e perder o emprego por causa deles — sem ter noção do que aconteceu. Mas por que as empresas não falam claramente sobre isso? Vivemos em uma sociedade litigiosa e elas têm mais receio de um processo judicial do que de omitir a verdade ou substituir um profissional.

A mania de processar impede que a pessoa saiba porque saíram com ela. Pior é que os motivos podem ser tão facilmente corrigidos, mas não podemos falar.

24 – É perigoso seguir o que a empresa diz
Todas as empresas têm uma agenda oculta. Para descobrir esse código, esqueça o discurso da companhia e concentre sua atenção em suas atitudes, no que ela valoriza. Por exemplo: os executivos vivem dizendo que dão o maior valor para a experiência, mas, no dia-a-dia, você vê funcionários que têm mais tempo de casa serem substituídos por outros mais jovens.

25 – Não há espaço para você dizer o que pensa no trabalho
Se você ainda não reparou, as empresas não são democracias, elas operam de um jeito mais ditatorial. Por conta disso, cuidado com o que você diz. Lembre-se que, ao emitir suas opiniões em público, o impacto delas aumenta bastante.

Lembre-se que quando quiser emitir opiniões, saiba o momento e para quem fazer isso. Os chefes precisam aprender a conviver com as opiniões divergentes, mesmo que os funcionários acabem fazendo o que o chefe quer. É assim que você dá condições à melhora do clima organizacional.

26 – Seu chefe é seu parceiro mais importante
Pense em seu chefe como aquele que tem o maior poder sobre a sua carreira dentro da empresa. Se você não é capaz de trabalhar em parceria com o chefe, quem garante que vai conseguir estabelecer bons relacionamentos com os colegas de trabalho e os clientes? Pode estar certo de que é isso que o chefe do seu chefe vai começar a se perguntar caso perceba que você não se dá bem com seu superior.

Vamos encarar esse chefe como ajustado.

27 – A fofoca pode fazer você ser visto como traidor
Para se proteger, evite ser visto na companhia de pessoas que são reconhecidas como fofoqueiras, mesmo que esteja apenas ouvindo o que elas estão dizendo. E se por acaso não conseguir brecar uma indiscrição, saia-se com um:

– Nossa, eu não iria gostar que alguém falasse isso de mim ou eu acredito que essa pessoa preferiria que isso fosse mantido em segredo. Se for o caso, saia de perto, mesmo que essa atitude signifique angariar antipatias. Lembre-se que, mais dia menos dia, você também vai ‘virar assunto’.

A fofoca faz parte do relacionamento humano. Fomentar comentários maldosos ou infundados podem mesmo te prejudicar. Mas ter o prazer de provar a um chefe que você pode ter uma ótima postura e ainda assim se relacionar com todos na empresa ainda é mais importante do que fugir de fofoqueiros. O chefe quer um funcionário que consiga eventuais favores de outras áreas, por exemplo, e isso só ocorre quando você saber se relacionar.

28 – Emails podem arruinar sua carreira
Assuma que todos os emails que você enviou com seu endereço eletrônico comercial serão lidos pela empresa. Muitas fazem isso. Lembre-se que os emails duram para sempre: podem ser impressos e encaminhados para toda a empresa. Sabe aquela história de falar mal de alguém por e mail e enviar a mensagem, por engano, para o alvo de seus comentários? Já pensou se a pessoa em questão for seu chefe?

Independente do desconforto, o e-mail corporativo é de propriedade da empresa e pode servir como prova.

29 – Se você estiver no campo errado pode ser confundido com o inimigo Quem trabalha tem o hábito de pensar as coisas nos seguintes termos: nós, os funcionários; e eles, os chefes. Cuidado com isso, pois você não pode pensar ‘neles’ como inimigos. Senão, sua carreira vai emperrar. Portanto, trate de se colocar no campo ‘deles’ o quanto antes.

Amenizar essa polarização é parte do trabalho do RH. Ajude a diminuir a distância entre nós e eles, estreitando relacionamentos e integrando colegas.

30 – Não peça para ser promovido
As promoções são oferecidas, não solicitadas. Dizer para o chefe que você está ‘pronto’, antes que ele perceba, isso só servirá para irritá-lo. Em vez de pedir, trabalhe e se dedique ao máximo. Primeiro, você tem que provar que realmente está preparado para o próximo estágio. Só depois disso é o que chefe irá lhe oferecer a promoção.

Promoções ocorrem das mais diversas maneiras nas empresas. Há quem trabalhe muito e dedicadamente, e nunca consiga uma… Mas não peça, de qualquer forma.

31 – Não importa se os rumores são falsos
Muita gente pensa que uma fofoca não pode prejudicá-los simplesmente porque é falsa. O que está em jogo não é a veracidade das informações, mas se a empresa acredita ou não no que está sendo dito.

Por isso mantenha uma postura adequada com o clima institucional e cultive relacionamentos saudáveis. A “empresa” nesta frase pode ser seu chefe, o dono do negócio, um grupo de diretores, etc. E pra levantar dados, eles vão pesquisar sobre você com outras pessoas.

32 – Licença-maternidade ou por problemas de saúde não são garantia de proteção
Antes de achar que está protegido ou que têm direitos, certifique-se do que a lei prevê para cada caso.

 

33 – Você pode perder se processar a empresa
Quando alguma coisa ruim acontece e o funcionário se sente ofendido, a primeira coisa que vêm à cabeça dele é processar a companhia. Acontece que muita gente parte para isso sem se documentar e sem entender direito como a lei analisa aquele caso. Portanto, informe-se antes para não se decepcionar.

“Não se decepcionar”??? Processar uma empresa requer seriedade da sua parte, pesquisa, consulta a advogados e certeza de que realmente foi lesado. Não se usa a máquina pública com incerteza, muito menos se processa uma empresa sem bom embasamento e documentos. Não se trata de ter uma “decepção”! Trata-se de poder colocar em risco sua carreira e seu futuro profissional. Se o caso é grave para isso, é necessário que se mova uma ação, até para inibir práticas ruins. Um bom RH é perfeitamente capaz de entender quando processos contra empresas são justos. E também quando não o são.

34 – Cuide do dinheiro da empresa como se fosse seu
A empresa vive de olho em como seu dinheiro está sendo gasto pelos funcionários. Portanto, pense no dinheiro da empresa como se fosse seu. E saiba que aqueles relatórios de despesa que é preciso preencher de tempos em tempos funcionam como um teste secreto de sua lealdade à empresa.

 

35 – Se você tem um novo chefe, trate de se aliar a ele
Você tem amor a sua carreira na empresa em que trabalha? Então, pare de pensar em seu novo chefe como um ‘invasor’.

Isso soa como “troque o saco a puxar”. Receba bem e aceite todas as pessoas novas, sendo elas chefes ou não.

36 – Sua aparência diz quem você é
Não pense que seu visual não é avaliado pela empresa. É sim, porque fornece uma pista de quem você é. Portanto, cuidado para não se vestir de um jeito fashion demais, sexy demais ou casual demais. Lembre-se que você está no trabalho.

 

37 – Você pode ter um romance com um colega do escritório sem que isso represente o fim de sua carreira
Mantenha segredo sobre seus relacionamentos amorosos no trabalho – a menos que você seja um gestor e a pessoa em questão esteja em um nível hierárquico abaixo do seu. Se essa pessoa for sua subordinada, peça ao chefe para que um de vocês seja transferido. Se seu (sua) parceiro (a) não for subordinado a você, comente o fato com o chefe e garanta que isso não vai interferir no seu trabalho.

Não dá pra ter essa receita toda. Um romance pode levar a transferências, demissões, ou nada. Depende de muitos fatores.

38 – Conquiste a lealdade da empresa
Se você acha que a empresa está contra você, pense primeiro em como você age. Será que você tem demonstrado ser uma pessoa confiável o bastante para que a companhia retribua na mesma moeda? Se a resposta for ‘não’, trate de mudar de atitude para reverter essa situação. Pode ter certeza de que, se perceber que você é leal, a empresa vai corresponder.

 

39 – A maneira como você trabalha é mais importante do que o que você produz
Tornar-se indispensável tem muito mais a ver com, como você trabalha, do que com o que você produz?. Focar apenas no seu trabalho vai deixá-lo com uma visão estreita. Os profissionais mais bem sucedidos são aqueles que conseguem ir além e alinhar suas atividades com o futuro da empresa.

Não sei o que quer dizer esse “como”. Quem trabalha olhando e acompanhando a equipe e as metas e filosofias da empresa é obviamente mais bem sucedido do que aquele que só olha para sua mesa.

40 – Surpreenda seu chefe todo o tempo
Se você não está tendo o retorno que espera do chefe, pode estar errando na maneira como apresenta seu trabalho a ele. Há dois tipos de pessoas: as do tipo auditório e as visuais. Se o seu chefe é do tipo auditório é melhor dizer as coisas, porque ele é do tipo que gosta de ouvir. Se ele for do tipo visual, a melhor tática é fazer apresentações com muitos gráficos e ilustrações de maneira que ele veja onde você está querendo chegar.

Sim, temos maneiras diferentes de aprender e prestar atenção. Se você descobrir qual é a do seu chefe, e da sua equipe, e dos seus colegas, terá muito mais chances de ser ouvido.

41 – Há quatro coisas que as empresas valorizam
Mais uma vez, trabalhar bem não basta se você não der à empresa ? e ao chefe ? o que eles esperam de você:
– Seja flexível. Sem jogo de cintura não há como acompanhar a velocidade com que as coisas acontecem hoje em dia;
– Seja vendedor. Já reparou como os profissionais mais bem sucedidos têm algo de vendedores (se é que já não trabalharam com vendas de fato). Eles se comunicam bem, sabem persuadir, negociar e conseguem vender suas idéias;
– Aprenda a falar bem em público.  Quanto mais você evoluir na carreira, mais exigido será nesse ponto. Nada pior que um profissional competente que se atrapalha na hora de fazer uma apresentação ou de conduzir uma reunião. Se for preciso, faça um curso para desenvolver suas habilidades de orador.
– Mire alto. Todo grande executivo estabelece para si metas agressivas. Escreva cinco metas para cumprir durante este ano e comece a trabalhar naquela que vai fazer mais diferença em sua vida. Anote vinte atitudes que podem ajudá-lo a atingir esse objetivo e mãos à obra.

42 – Aja como se fosse o dono da empresa
Seguindo essa linha de raciocínio, pense no chefe como seu principal cliente e nos colegas de trabalho como seus fornecedores. É isso mesmo: você vai se colocar a serviço deles. E tenha certeza de que isso não significa ficar abaixo deles, mas que é uma boa maneira de se tornar indispensável.

43 – No trabalho, você está sempre no palco
Tudo o que você faz, cada almoço com clientes, festas da empresa, conversas telefônicas, projetos, absolutamente tudo está sendo observado e conta pontos a seu favor, ou não. Só depende de você.

44 – Ser promovido nem sempre é o paraíso que parece
Muitas promoções falham no primeiro ano e culminam em demissão ou remoção para um cargo de menor importância. É como se as pessoas fossem promovidas equivocadamente, sem estar preparadas para o novo cargo. Aí, é claro que elas vão derrapar na curva.

Por isso o auto conhecimento é importante. Sabermos nossos talentos e capacidades nos afasta desse tipo de roubada. Se a promoção envolve pontos e tarefas que não temos talento para realizar, realmente pode ser um tiro no pé.

45 – Não tenha medo de recusar uma promoção
Muita gente aceita uma promoção simplesmente porque o cargo lhe foi oferecido. Acontece que qualquer posição que uma pessoa ocupe na escala hierárquica deve estar alinhada com seus objetivos. Se não estiver, é preciso ter coragem de dizer ‘não’. E não se preocupe, porque, da mesma maneira que a empresa lhe deu essa oportunidade, dará outras no futuro.

46 – Não seja centralizador
Tem muito gestor, geralmente os que acabaram de ganhar uma equipe, que acha que sabe tudo e coloca a mão na massa, fazendo o trabalho do time. Se você se identifica com isso, cuidado. Essas são duas armadilhas típicas de um gestor inexperiente que vão gerar problemas num futuro bem próximo: seu chefe vai reclamar que seu desempenho está abaixo do esperado. É claro, porque uma pessoa só não consegue dar conta do trabalho de várias.

Tem muito gestor, independente de quanto tempo de cargo tenha, que é centralizador e não consegue delegar e treinar as pessoas para fazerem as coisas como devem ser feitas. Preste atenção se este for seu caso: a maioria dos telefonemas que recebe é de seus funcionários pedindo orientações, e em frente sua mesa costuma se formar uma pequena fila de pessoas do seu setor querendo falar com você.

47 – Se a sua equipe está entregando menos do que você espera, a falha é sua
Criar um time de alta performance requer três coisas: persistência, objetivos claros e apoio. Muitos gestores se concentram no como desejam que o trabalho seja feito, mas o melhor é focar no que você espera como resultado final. Dê detalhes sobre suas expectativas e diga para todos se sentirem à vontade para procurar você sempre que precisarem esclarecer alguma coisa. Se o resultado não for bom, não culpe a pessoa: você falhou, porque não foi claro o suficiente. Por mais que seja difícil para você e que seja preciso pedir que a pessoa refaça o trabalho duas ou mais vezes, tente pensar dessa maneira. Isso vai ajudá-lo a criar um time totalmente afinado com você.

48 – A liderança não é um pedestal, mas uma base
A visão de quem acabou de ser promovido costuma ser bem diferente do que a equipe espera dessa pessoa; enquanto o líder se vê como alguém que está acima dos outros; o time gostaria de encontrar no novo chefe como alguém que vai apoiá-los, que vai servir de base para que o trabalho seja realizado. Eu diria que essa segunda versão é a melhor se o seu objetivo é motivar as pessoas. Quem está no pedestal sempre é passível de ser derrubado.

49 – As empresas têm memória curta
Não se apavore com todas as 28 verdades que estão aí em cima. Se você incorreu em algum ou alguns desses erros, fique sabendo que se mudar suas atitudes agora e de maneira consistente terá chance de dar uma reviravolta em sua imagem profissional e de deixar todos os seus erros no passado.

50 – Tudo está nas suas mãos
Vá trabalhar todos os dias esperando sempre o melhor e use sua competência a seu favor. Lembre-se que você tem o poder de fazer escolhas que vão lhe abrir ou fechar portas na sua carreira. A empresa não é a entidade misteriosa que parece ser, elas apenas respondem à maneira como você age.

Fonte: http://www.alvinews.com.br/coluna/Emprego/50dicas/SegredosRH.htm 

https://www.facebook.com/GestaoModerna

http://www.youtube.com/user/edsonmiranda100

https://www.facebook.com/groups/futuro.da.energia/

https://www.facebook.com/groups/excelenciagestao/

 

, ,