10 dicas para escolher uma consultoria de treinamentos

A oferta de empresas e consultorias que realizam treinamentos é muito grande, e quando precisamos contratar um serviço assim, é difícil escolher. Geralmente, isso ocorre por indicação de alguém em quem você confia, que já contratou ou conhece os profissionais de algumas delas.

Mas se você sente a necessidade de treinar sua equipe e não tem indicações em seu networking, como escolher?

Seja um treinamento técnico ou comportamental, existem alguns cuidados que você pode tomar para decidir com mais assertividade.

1 – Busca de consultorias: Não procure treinamentos somente no Google. Ao encontrar uma empresa ou profissional, faça uma pesquisa também no Linkedin. A maioria das consultorias fazem posts, divulgam textos sobre assuntos relacionados e recebem comentários. Veja as postagens com mais visualizações e comentários no perfil do profissional, ou da empresa, e perceba como ela interage com as pessoas. É comum que postagens mais polêmicas, por exemplo, recebam críticas. Ver como a pessoa/empresa reage a elas vai te dar uma boa noção do comportamento profissional e de mercado sobre ela.

2 – Clientes anteriores: O número de clientes da empresa nem sempre é sinônimo de excelência. A empresa pode colocar como cliente qualquer instituição em que tenha feito qualquer tipo de trabalho, o que muitas vezes não quer dizer que tenham sido treinamentos. Também existem clientes que preferem não ter seu nome divulgado pela consultoria. Por mais que uma lista grande de clientes possa passar a impressão de força no mercado, isso nem sempre é verdade. Olhar a forma de comunicação dela como comentado no item 1 ainda te fornece dados e impressões mais próximas da realidade.

3 – Expertise dos profissionais: Pesquise a formação e autoridade do consultor. Veja quanto tempo ele tem de experiência, e que diferenciais oferece que possam ser interessantes para você.

4 – Consultoria especializada: Veja se a consultoria e seus profissionais atendem alguma especialidade. Ela pode ser focada no seu ramo de negócios, ou ser generalista. Existem empresas que preferem as generalistas porque não se sentem à vontade sabendo que o consultor atende também sua concorrência. Outras preferem consultorias do seu ramo, porque acham mais fácil de compreender as necessidades e possuem conhecimento do mercado concorrente. Então, você deve definir sua preferência.

5 – Trabalhe com poucas opções: Escolha 3 opções, não mais que isso, para fazer um contato inicial. Conversar com muitas consultorias ao mesmo tempo só vai te confundir.

6 – Comunique seu problema: Antes de marcar a reunião, passe algumas informações sobreo que você precisa. Não peça diretamente orçamentos de treinamentos já definidos. Por exemplo, se você acha que sua equipe de vendas está com baixo desempenho, não peça diretamente um orçamento de treinamento de vendas. Passe o problema ao consultor, deixe que ele te ofereça as soluções.

7 – Customização do treinamento: Na reunião, além de apresentar o problema e conhecer os produtos, veja se a consultoria oferece customização do treinamento. O consultor terá os conteúdos preparados, e poderá oferecer conforme você mostra do que precisa. Mas isso não quer dizer que ele vai fazer o treinamento personalizado para sua empresa. Procure uma consultoria de treinamentos que se preocupe em entender sua demanda e como funciona a equipe que será treinada. Já contratei e participei de muitos treinamentos, técnicos e comportamentais, em que a consultoria só entregava seu conteúdo sobre o assunto, sem entender um pouco da dinâmica da empresa e da equipe. Isso fazia com que muitas coisas não pudessem ser aproveitadas. Quantas vezes ouvi os participantes dizerem que o conteúdo era bom, mas não dava pra ser aplicado na realidade deles…

8 – Preço: a variação pode ser grande. Se seu orçamento não for um problema, ou seja, se ele não for definir a contratação, ou se ele estiver acima dos preços apresentados, você tem liberdade para fazer sua escolha levando em conta os outros fatores expostos acima. Temos a tendência de considerar o preço um fator de desempate mesmo quando não precisamos. Acreditamos que ele corresponde ao valor da empresa e de seus serviços. Posso dizer categoricamente que isso não é verdade. Conheço profissionais de todas as áreas que super inflacionam seus preços e outros que não sabem cobrar, ambos com a mesma qualidade de entrega. Se você pode pagar, não deixe o valor interferir na decisão.

9 – Afinidade: sabemos que as pessoas em uma organização tendem a absorver sua cultura, e ter comportamentos esperados de acordo com ela. Você, como uma “amostra” deste público, terá condições de dizer se o consultor tem perfil para treinar sua equipe. Pode levar outros gestores e colegas para participar das reuniões e conhecer as consultorias, para ter com quem trocar ideias. A consultoria pode ter um nome forte no mercado, ter ótimo conteúdo e mostrar que entende seu problema. Mas se o profissional que vai ministrar o treinamento não causou uma boa impressão em você, se você se sentiu desconfortável ou não gostou dele por qualquer motivo, melhor não contratar. Essas impressões pessoais suas poderão ser as mesmas do restante da equipe. E a falta de afinidade pode comprometer a absorção e efetividade do treinamento.

10 – Material: defina as questões operacionais. Que estrutura você precisa oferecer e que materiais precisará imprimir. Mas também analise antes o conteúdo do material. Uma vez fechada a contratação, a consultoria poderá mostrar antecipadamente slides e apostilas que são utilizados. Não fique discutindo detalhes, afinal a expertise é deles. Mas aconselho sempre que olhem antes, pois existem empresas com valores e regras um pouco incomuns, e se a sua for assim, será melhor ver o que será passado à equipe antes. Já fiz treinamentos em empresas que tinham restrição com determinadas palavras, por exemplo. Então, trocamos estas palavras nos slides e no discurso também.

Um consultor pode ser excelente para uma empresa e não ser para outra. Na hora de contratar, escolha pensando no seu público.

, , , ,